a Bíblia e as DispensAÇÕes

 

Para descobrirmos a perfeita harmonia e unidade da Bíblia é necessário estudarmos suas épocas, seus personagens e as condições sob as quais se deram determinados períodos. No estudo das Épocas da Bíblia, estudamos historicamente os tempos bíblicos. Estudando as Dispensações os dividimos teologicamente.

 

Nas Épocas vemos o homem em relação a Deus; nas Dis­pensações vemos Deus em relação aos homens. Devemos ter em mente que Deus não somente tem falado de muitas ma­neiras, mas também em diversos tempos. (Hebreus 1.1).

 

A falta de observância dos tempos ou "Dispensações" da Bíblia, pode conduzir-nos a um caminho errado, criar dificulda­de e ofuscar a verdadeira significação das Escrituras.

 

A narrativa da criação, em que se descrevem os seis dias da criação e o sétimo de descanso, prefiguram as dispensa­ções da Bíblia. As seis fases da criação correspondem às seis dispensações que marcam a história do homem na terra, às quais se segue o sétimo dia de eterna felicidade.

 

Daremos aqui apenas as divisões dispensacionais de um modo bastante sintético, na tentativa de levar ao leitor conhe­cimentos que possam clarear seu entendimento desse assunto, que em literatura específica é tratado com maior expressivi­dade.

 

A Dispensação é um período de tempo em que o homem é provado a respeito da sua obediência a certa revelação da vontade de Deus. São sete as dispensações:

 

1.       INOCÊNCIA

2.       CONSCIÊNCIA

3.       GOVERNO HUMANO

4.       PATRIARCAL

5.       LEI

6.       GRAÇA

7.       MILÊNIO

 

Por sua vez, cada dispensação pode ser estudada sob sete aspectos diferentes que podem nos ajudar na sua com­preensão. De um modo geral, podemos dizer que cada dis­pensação tem:

 

1.       Palavra chave

2.       Propósito

3.       Revelação

4.       Personagens principais

5.       Concerto divino

6.       Atos de desobediência

7.       Julgamento divino

 

1.       A DISPENSAÇÃO DA INOCÊNCIA Gênesis 2.6 a Gênesis 3.24.

 

1. Palavra chave: inocência.

2. Propósito: Provar que o homem tem capacidade para manter-se fiel a Deus em clima de perfeição e circuns­tâncias absolutamente favoráveis, bem como seu livre arbítrio, com capacidade para:

Pensar Intelecto Sentir Emoção Escolher Vontade

3. Revelação:

 

a. Pela palavra

b. Pela presença

 

4. Personagens principais: Adão e Eva.

5. Concerto Divino: Os quatro pontos da Aliança Edêmica:

 

a. Encher a terra Gênesis 1.28

b. Comer do fruto da terra Gênesis 1.29

c. Guardar o jardim Gênesis 2.8,15

d. Não comer da árvore do conhecimento do bem e do mal — Gênesis 2.16.

 

6. Ato de desobediência: Relacionado à Palavra de Deus:

 

— Dúvida Gênesis 3.1

— Adição Gênesis 3.2,3

— Contradição Gênesis 3.4

— Falsa interpretação Gênesis 3.5

— Tentação para desobedecer Gênesis 3.6

— Transgressão Gênesis 3.6

 

7. Julgamento divino:

 

— Sobre a serpente Gênesis 3.14,15

— Sobre a mulher Gênesis 3.16

— Sobre o homem Gênesis 3.17-19

Obs.: Veja a escada da queda: Ver, cobiçar, tomar, possuir, transmitir, morrer. É a mesma até hoje. Veja: Eva Gê­nesis 3.6; Davi II Samuel 11.2-24; Acã Josué 7.20-25.

 

2.       A DISPENSAÇÃO DA  CONSCIÊNCIA  Gênesis 3.1-8.4 (cerca de 1656 anos).

 

1. Palavra chave: Consciência.

2. Propósito: Provar que o homem tem capacidade para manter-se fiel a Deus num clima de liberdade e segundo os ditames de sua própria consciência.

3. Revelação: A redenção do homem. O sacrifício de Abel prefigura o sacrifício definitivo de Cristo, o Cordeiro de Deus. Apocalipse 13.8; Hebreu 11.4; Gênesis 4.4.

4. Personagens principais: Enoque e Noé.

5. Concerto divino; A fé em Deus. Vd Hebreus 11.4-7.

6. Atos de desobediência: De Caim a Lameque exis­te um aumento surpreendentemente progressivo de desobedi­ência, de modo a absorver a linhagem fiel, os filhos de Sete, levando o mundo da época a um estado de violência e apos­tasia.

7. Julgamento divino: O juízo de Deus manifestou-se através do Dilúvio que caiu sobre toda a terra.

Obs.: A arca representa o refúgio de Deus contra Seu próprio juízo...

 

3.       A DISPENSAÇAO DO GOVERNO HUMANO Gênesis 8.15 a 11.32 (427 anos), do Dilúvio à Dispersão.

1. Palavra chave: Governo humano.

2. Propósito: Provar que o homem tem capacidade para manter-se fiel a Deus em um sistema de consciência coletiva.

3. Revelação: A Palavra de Deus expressa a Noé, o homem que foi achado justo diante de Deus.

4. Personagens principais: Noé, Sem, Cão e Jafé.

5. Concerto divino: Deus assinala o centro das Suas relações com a criatura humana. Tal concerto inclui os seguin­tes postulados básicos:

 

a. O povo deveria multiplicar-se Gênesis 9.1

b. O povo deveria encher a terra Gênesis 9.2

c. O povo poderia alimentar-se de carne, abstendo-se do sangue Gênesis 9.3

d. O arco-íris seria o sinal da aliança.

 

6. Atos de desobediência: Nimrode, neto de Cão por Cush, criou o imperialismo, tentou unir o mundo incitando os homens a construir uma torre que chegaria aos céus (Gênesis 11.4) Vd Apocalipse 16.14 e 19.19)!

7. Juízo divino: A dispersão. Outra vez a Trindade conferenciou entre si. Vd Gênesis 3.22; 6,7; 11.5.7. A confu­são de línguas em Babel (Hb "confusão") foi o resultado.

 

4.       A DISPENSAÇAO PATRIARCAL Gênesis 12.1 a Êxodo 12.37. Da chamada de Abraão ao Êxodo do Egito. Cerca de 630 anos. Gálatas 3.17; Êxodo 12.40.

 

1. Palavra chave: Promessa

2. Propósito: Levar Abraão e seus descendentes a terem fé em Deus e obedecerem a Jeová. Sua família seria a nação escolhida, que se tornaria precursora do Redentor, o Messias da promessa de Gênesis 3.15. Vd Mateus 1.1 e Ro­manos 1.5.

3. Revelação: Deus apareceu a Abraão 6 vezes: Gênesis 12.1-3,7; 13.14,17; 15.1-21; 18.1-33; 22.1-8. Revelou-lhe Seus propósitos e a Sua vontade.

4. Personagens principais: Abraão.

5. Concerto divino:

 

a. Com Abraão: Vd Gênesis 12.2,3; 13.15; 15.1; 17.7

b. Com sua descendência: Gênesis 15.4 a 17.19

 

6. Atos de desobediência: Existem 3 passos na de­sobediência de Abraão:

 

a. Desceu ao Egito contrariando o desejo de Deus.

b. Tomou a Agar por mulher, o que resultou em terrível mal.

c. Mentiu a Abimeleque.

 

7. Juízo divino: Sobre o Egito Êxodo 7.14 ss

Obs.: Os 430 anos que Israel passou no Egito (Êxodo 12.40) foi um período do qual só se tem amargas recordações (Êxodo 20.1).

 

5.       A DISPENSAÇÃO DA LEI — Desde o êxodo do Egito até a crucificação de Cristo. (Cerca de 1430 anos). Vd Mateus 11.12, 13 e Lucas 16.16. Cristo foi o último homem obrigado a guardar a Lei.

 

1. Palavra chave: Lei (essa palavra aparece 516 ve­zes na Bíblia).

2. Propósito: Testar a obediência de Israel, capacitando-a a tornar-se instrumento e porta-voz da Revelação de Deus numa preparação final para a vinda do Messias.

3.   Revelação: A Bíblia apresenta uma tríplice revelação:

 

a. Os Dez Mandamentos

b. Ordenanças

c. Cerimônias

 

4. Personagens principais: Moisés, Arão, Josué, Sa­muel, Davi e outros.

5. Concerto divino: Os Dez Mandamentos. Êxodo 20.

6    Atos de desobediência: Vd Isaias 1.11 a 17.

 

7. Juízo divino: Há um duplo aspecto do julgamento divino no final desta dispensação:

 

a. Os pecados de Israel e de outros povos, punidos e julgados na cruz. João 12.27-33; 19.16-30; Atos 2.36; Colosensses 2.14-17; I Pedro 2.24.

b. Como nação que rejeitou a Cristo, Israel foi punido com a rejeição de Deus, perda do Seu reino e a dis­persão milenar. Mateus 21.33-46; Lucas 21.20-24; Deuteronômio 28; Levítico 26; Deuteronômio 28.25.

 

6.       A DISPENSAÇÃO DA GRAÇA — Desde a crucifica­ção até o arrebatamento da Igreja. Visivelmente o início da Igreja data do dia de Pentecostes (30 AD) em Jerusalém.

 

1. Palavra chave: Graça. Não dispensa ordenanças. Há 1050 mandamentos no Novo Testamento.

2. Propósito: Chamar para fora do mundo um povo para o nome de Jesus. Atos 15.14-17; Marcos 15.16; Efésios 2.14-22.

3. Revelação: Existem três aspectos da revelação de Deus:

 

a. Deus revela-se ao homem em forma de homem.

b. A Revelação do Espírito de Deus nos crentes.

c. A revelação escrita — A Palavra de Deus.

 

4. Personagens principais: Jesus Cristo, Paulo e... a eternidade talvez nos mostre outros!

5. Concerto divino: Vd Jeremias 31.31-34. Feito pelo sangue de Jesus Cristo. Seu pacto é extensivo a todos os ho­mens de fé nesta dispensação. Gálatas 3.15; Hebreus 9.12-20; 1 Pedro 1.4; Hebreus 10.29.

6. Atos de desobediência: Vd Apocalipse 22.15; I Pedro 4.17; etc.

7. Juízo divino: Nota-se dois tipos de juízo:

 

a. Depois do arrebatamento: A Grande Tribulação para o mundo.

b. O tribunal de Cristo, para os crentes.

 

7.       A DISPENSAÇÃO DO MILÊNIO — Seu início se dará com a manifestação (parousia) de Cristo e findará com a instalação do Grande Trono Branco. Apoca­lipse 20.11-15.

 

1. Palavra chave. Regeneração (Mateus 19.28).

2. Propósito:

 

a. Consumar todas as alianças feitas com o homem.

b. Estabelecer a justiça e a paz na terra.

c. Exaltar a soberania universal de Cristo.

d. Restaurar a posição de Israel como cabeça das na­ções e sede do governo Teocrático.

e. Exaltar os santos de todos os tempos.

f. Subjugar todos os inimigos do Senhor.

 

3. Revelação: Governo Pessoal de Deus: Isaías 52.7; Lucas 1.32,33; Daniel 7.13.

4. Personagens principais: Jesus Cristo, a Igreja, os Santos de todos os tempos e Israel.

5. Ato de desobediência: O principal se dará no fim do Milênio. Vd Apocalipse 20.7-9.

6. Concerto divino: O fim das dispensações, os no­vos céus e a nova terra e a continuação da Eternidade.

7. Juízo divino: Sobre Satanás. Apocalipse 20.10. Sobre os homens. Apocalipse 20.11-15 e 21.1-7.

"E não haverá mais noite, e não necessitarão de lâmpada nem de luz do sol, porque o Senhor Deus os alumia; e reinarão para todo o sempre".  Apocalipse 22.5.