Lição 04

 

24 de Outubro de 2010

 

Abraão, o amigo de Deus

 

Texto Áureo

 

"Pela fé, Abraão, sendo chamado, obedeceu, indo para um lugar que havia de receber por herança; e saiu, sem saber para onde ia". Hb 11.8

 

Verdade Aplicada

 

A amizade com Deus requer de cada um de nós uma vida de obe­diência e renúncias.

 

Objetivos da Lição

 

      Mostrar que fé proporciona uma vida exemplar e de vitórias plenas;

      Ensinar que a fé é acrescida na medida em que nos dispomos a confiar nas promessas de Deus;

      Ensinar que no caminho das grandes promessas de Deus não ficará nada carnal que possa im­pedir seu projeto.

 

Texto de Referência

 

Gn 12.1     Ora, o Senhor disse a Abrão: Sai-te da tua terra, e da tua parentela e da casa de teu pai, para a terra que eu te mostrarei.

Gn 12.2     E farte-ei uma grande nação, e abençoarte-ei e engrandecerei o teu nome; e tu serás uma bênção.

Gn 12.4     Assim, partiu Abrão, como o Senhor lhe tinha dito, e foi Ló com ele; e era Abrão da ida­de de setenta e cinco anos quan­do saiu de Harã.

Gn 12.7     E apareceu o Senhor a Abrão, e disse: À tua descendên­cia darei esta terra. E edificou ali um altar ao Senhor, que lhe apa­recera.

 

Ajuda Versículos

 

 

A obediência é um aspecto do caráter cristão indispensável ao cumprimento da vontade Deus na vida do homem.

 

Abraão é um dos principais personagens do Antigo Testamento. Ainda hoje, as três principais religiões monoteístas (judaísmo, cristianismo e islamismo) consideram-se, natural ou espiritualmente, descendentes do patriarca. Não obstante às suas fraquezas, Abraão foi chamado de “O Amigo de Deus”. O versículo-chave da biografia desse personagem é: “E creu Abraão em Deus, e foi-lhe isso imputado como justiça, e foi chamado o amigo de Deus” (Tg 2.23; Gn 15.6).

 

Veja no mapa abaixo as peregrinações de Abraão, são alguns dos fatos mais significativos da história do patriarca. As suas incursões nas terras estrangeiras, saindo Abraão de Ur dos Caldeus até Canaã.

 


Deus chamou Abraão de Ur dos Caldeus para usá-lo num elevadíssimo projeto: ser o pai de uma grande nação. Não sabemos qual critério o Eterno utilizou para esse chamamento. Poderia ter escolhido Enoque, o que fora transladado; ou Noé, o justo (Gn 7.1). Todavia, preferiu Abraão. Resgatou-o de uma cultura idólatra, perversa e imoral a fim de que lhe servisse por toda a vida.

 

ABRAÃO ANTES DO SEU CHAMADO

 

1. Ur dos Caldeus. Fundada cerca de 2.800 a.C, foi o centro de uma grande cultura pagã. Era avançada nas ciências e proporcionava aos seus habitantes, excelente estabilidade socioeconômica. Além disso, Ur exerceu forte influência religiosa, social e comercial em toda a região mesopotâmica e fora dela.

 

2. Harã e Siquém (Gn 12.4-8). A despeito de acumular muitas riquezas em Harã, o coração do patriarca não estava ali. Ele sabia que a vontade de Deus deveria ser cumprida, por isso decidiu partir de Harã para Canaã, passando por Siquém. Além disso, seu pai já estava morto, não havia nada que pudesse detê-lo. Sua obediência e firme confiança em Deus fê-lo perseverar na jornada.

 

Em Siquém, o Senhor aparecera a seu servo, reafirmou-lhe as promessas, mostrando toda a terra de Canaã.

 

3. Disposição para mudar. Abraão teve de ter fé e muita disposição para sair de uma cidade tão rica e desenvolvida, e peregrinar numa terra totalmente ignorada. O cristão que deseja fazer a vontade de Deus deve estar preparado para mudanças profundas em todas as áreas da sua vida. Isso aconteceu com Jonas, o profeta; com o apóstolo Paulo, Pedro e com muitos outros ao longo da história. Você tem se colocado à disposição de Deus?

 

O patriarca Abraão habitava na cosmopolita Ur dos Caldeus. Quando Deus o chamou, deixou todas as vantagens da metrópole a fim de cumprir a vontade do Senhor.

 

CONSEQÜÊNCIAS DA PARCIALIDADE

 

Deus ordenou a Abraão que se separasse de seus parentes. Exceto Sara, sua esposa, nenhum outro membro da família deveria acompanhá-lo. Todavia, o patriarca, certamente constrangido pela idade avançada de seu pai, e a presença de seu sobrinho Ló, decidiu levá-los.

 

1. Desgaste espiritual. Abraão, na verdade, confrontou a ordem divina (Gn 12.1,5; 13.1b). Ele devia ter evitado que os laços familiares atrapalhassem o caminho que o Senhor lhe havia preparado. Escrevendo aos Romanos no capítulo 12, versículos 1 e 2, o apóstolo Paulo nos apresenta um princípio infalível de bem-estar espiritual para todo o crente: descobrir a boa, agradável e perfeita vontade de Deus. Este princípio, quando posto em prática, garante permanente comunhão com o Altíssimo.

 

2. Desgaste afetivo (Gn 13.1-18). Abraão teve de apaziguar uma desavença entre seus pastores e os de Ló. Em razão de haver rebanho demais para pouca terra, eles constantemente disputavam os pastos para seus bois e ovelhas. A situação ficou tão insuportável que o patriarca precisou, inclusive, separar-se de seu sobrinho.

 

3. Desgaste econômico. Sendo inevitável a separação, Abraão deu a Ló o privilégio de escolher seu território. Ló não teve dúvida, escolheu aparentemente a melhor parte: uma campina fértil à beira do rio Jordão (Gn 13.10,11). Este episódio nos mostra que o homem em desobediência a Deus pode sofrer consequências desastrosas em qualquer área de sua vida.

 

A parcialidade na vida de Abraão resultou em desgaste espiritual, econômico e afetivo.

 

A CHEGADA EM CANAÃ

 

1. Ratificando as promessas. Assim que Abraão chegou a Canaã, Deus lhe apareceu mais uma vez a fim de ratificar a promessa feita em Harã: “à tua semente darei esta terra” (Gn 12.7a). Era tudo que precisava para saber que estava no centro da vontade de Deus, uma vez que há tantos anos o Senhor não lhe aparecia.

 

Esse episódio nos faz concluir que o silêncio de Deus não tira o crente do rumo certo. Compete a este permanecer firme nas promessas imutáveis do Senhor.

 

2. O testemunho público. A entrada de Abraão em Canaã foi marcada por um culto de adoração e ações de graças a Deus. O patriarca mostrou aos cananeus que ali estava um homem comprometido com a adoração de um único e verdadeiro Deus. Todos ficaram cientes de que Abraão era um homem de fé logo no primeiro momento de sua chegada. Esta deve ser a conduta do crente: demonstrar que serve a Deus em todo lugar e em qualquer circunstância (Mt 10.32; Lc 12.8).

 

ASPECTOS POSITIVOS DO CARÁTER DE ABRAÃO

 

1. Generosidade. Abraão demonstrou nobreza ao resgatar seu sobrinho. Ló fora capturado e preso com o seu povo. Assim que Abraão soube do fato, imediatamente saiu em perseguição dos invasores até , ao norte do território israelita. Aliado com seus três vizinhos, Aner, Escol e Manre (Gn 14.24), o patriarca lutou bravamente e venceu a peleja. Esta atitude mostra o aspecto nobre do caráter de Abraão.

 

O que mais chama a atenção não é a derrota dos inimigos, mas sim a generosidade do patriarca para com seu sobrinho. Ele não demonstrou nenhum indício de ressentimento ou animosidade contra aquele que um dia lhe prejudicara.

 

O “amigo de Deus” deixou-nos uma grande lição sobre como devemos proceder com aqueles que direta ou indiretamente nos causam danos. Ponhamos em prática os ensinos de Jesus (Lc 6.27b ,28b).

 

2. Firmeza. Abraão revelara este aspecto de seu caráter quando aguardava o cumprimento da Palavra do Senhor. A despeito de viver em Canaã, a promessa que Deus lhe fizera não havia se cumprido integralmente. Faltava-lhe um legítimo herdeiro. Contudo, Abraão permaneceu fiel, aguardando a concretização dos planos divinos em sua vida (At 7.2; Gn 12.1,2).

 

3. Fidelidade. A fidelidade de Abraão é demonstrada no momento em que se encontrou com Melquisedeque (Gn 14.18,19), rei e sacerdote do Deus Altíssimo. O fiel servo do Senhor entregou-lhe o dízimo de todos os seus bens.

 

4. Integridade. Ao regressar da batalha dos quatro reis contra cinco, Abraão recebeu uma tentadora proposta do líder de Sodoma. O patriarca ficaria com todos os despojos da peleja, enquanto ele (o rei de Sodoma) teria direito sobre os prisioneiros de guerra. É claro que o servo do Senhor não aceitou esse acordo (Gn 14.22,23). Ele não queria riquezas que o prendesse a Sodoma. E, além disso, aqueles bens tinham procedência mundana e profana. O cristão deve ser vigilante quanto à origem do que vem às suas mãos para que sua adoração não seja rejeitada (Sl 24.1-5).

 

5. Submissão. Abraão foi duramente provado quando Deus lhe pediu Isaque em holocausto (Gn 22.3). Certo de que o Senhor poderia ressuscitá-lo, não titubeou: partiu para o lugar do sacrifício, levando consigo seu único filho e dois criados (Gn 22.1-3; Hb 11.17,18). O caráter submisso de Abraão é uma referência para todos que desejam viver em santa obediência ao Senhor. Submissão e fé são imprescindíveis à vida cristã (Rm 1.5; At 5.32). Urge vivermos em constante oração para que a vontade de Deus esteja sempre diante de nossos olhos (Rm 12.1,2). Os que confiam no Senhor recebem dele o necessário provimento, a exemplo de Abraão, que encontrou um cordeiro para o holocausto (Gn 22.13).

 

ASPECTOS NEGATIVOS DO CARÁTER DE ABRAÃO

 

1. Medo. Nenhum homem de Deus está livre de sentir-se inseguro em determinadas situações. Isso aconteceu com Abraão após o resgate de Ló. Deus, porém, lhe apareceu em uma visão, à noite, dizendo: “Não temas, eu sou o teu escudo” (Gn 15.1). O mesmo ocorreu com Gideão (Jz 7.10), com os discípulos (Mc 6.49,50) e ainda hoje com diversos servos de Deus. Em todos os casos, o Senhor se faz presente.

 

2. Fingimento. Abraão propôs a Sara que fingisse ser sua irmã. Por ser muito formosa, o patriarca pensou que se ela se passasse por sua irmã, os egípcios não o matariam (Gn 12.11-13). Abraão omitiu a verdade absoluta, usando de subterfúgios. A palavra do crente deve ser sim, sim e não, não (Mt 5.37). O fingimento é uma forma de mentira, e a Bíblia o condena taxativamente (1 Pe 2.1; Pv 25.23).

 

CONCLUINDO

 

Por seu íntimo relacionamento com o Senhor, Abraão recebeu o título de “amigo de Deus” (2 Cr 20.7; Is 41.8; Tg 2.23). Foi o único a conquistar tamanho privilégio. Tendo saído de uma terra carregada de idolatria, Deus o honrou sobremaneira. Sua submissão ao Senhor foi o ponto forte de toda sua vida, como lemos no texto áureo desta lição.

 

Não obstante todas as falhas humanas, Abraão tornou-se o maior modelo de fé e obediência a Deus. Sigamos, pois, o seu exemplo.

 

Abraão peregrinou por terras longínquas e inóspitas. Enfrentou todas as dificuldades comuns aos viajantes nômades. Para as caravanas que cruzavam a estrada, lá estava mais um pastor nômade vagando pelo ermo. Porém, Abraão via o invisível e conhecia o incognoscível! Ele caminhava em direção à Terra Prometida - ao seu lar de inefável alegria! O ardor do estio que crestava-lhe a tez, não era mais forte do que a fé rubra que incendiava lhe a alma! Assim também peregrinamos pelos vales desse mundo. Os que atravessam o caminho não veem o que vemos; não discernem o que conhecemos!

 

Estamos caminhando em direção ao nosso lar celeste. As chamas das vicissitudes não são maiores do que a nossa esperança no Sol da Justiça. Permaneça firme até o encontro celestial.

 

Bibliografia E. Lira e Silva